4º Encontro de Redes IberCultura Viva – Edição Especial 2020

De 8 de setembro a 15 de outubro

Bem-vindo/a ao 4º Encontro de Redes IberCultura Viva. O evento promovido pelo programa de cooperação IberCultura Viva é dirigido a coletivos, organizações e pessoas que trabalham no âmbito da cultura comunitária, assim como a representantes de governos que articulam políticas culturais de base comunitária nos países ibero-americanos.

Entre 8 de setembro e 15 de outubro serão realizados conversatórios, conferências, seminários, uma mostra de cinema comunitário e uma mostra de títeres, com transmissão ao vivo pela página de Facebook e o canal de YouTube do IberCultura Viva. Aqui você pode acompanhar a programação e saber mais sobre os temas, as pessoas convidadas e as atividades realizadas durante o encontro virtual.

Um encontro de redes sobre políticas culturais de base comunitária

O 4º Encontro de Redes IberCultura Viva tem por objetivo oferecer-se como um espaço de diálogo e reflexão sobre a importância das organizações culturais comunitárias e seu trabalho territorial para conter a propagação do vírus Sars-CoV-2, e como articuladoras, junto aos governos centrais e locais, de políticas culturais de base comunitária que ajudem a sustentar o entramado social no atual contexto de emergência sanitária.

A metodologia de trabalho inclui diversas ferramentas, como conversatórios, conferências e seminários virtuais, a maioria com transmissão ao vivo por Facebook e YouTube. Também haverá uma mostra de títeres e uma mostra de cinema comunitário ibero-americano. As atividades serão lideradas e assistidas tanto por representantes de coletivos e organizações como por autoridades e funcionários dos governos integrantes do programa. Todos poderão participar dos conversas e espaços de capacitação.

Cultura viva, uma experiência coletiva

Quando falamos em políticas culturais de base comunitária, tomamos como referência o programa Cultura Viva, criado no Brasil em 2004, e os programas Puntos de Cultura lançados na Argentina (2011), no Peru (2012), na Costa Rica (2015) e no Uruguai (2017). No entanto, são várias as iniciativas governamentais na Ibero-América que apostam na

cultura como vínculo fundamental para transformar realidades e buscam reconhecer e potenciar as iniciativas culturais das comunidades nos lugares onde ocorrem. Ainda que o conceito “cultura viva” tenha surgido com a experiência brasileira dos Pontos de Cultura, na prática ele existe há décadas em milhares de comunidades da região. “Cultura viva comunitária” é, portanto, uma expressão criada para dar nome, sentido e visibilidade a dinâmicas culturais que vêm surgindo nos países ibero-americanos. Por que viva? Porque é pulsante, mutante, diversa. Por que comunitária? Porque é onde surge, onde se organiza. E porque a ideia é beneficiar prioritariamente os povos, grupos e comunidades em situação de vulnerabilidade social e com reduzido acesso aos meios de produção, registro, fruição e difusão cultural.

O programa de cooperação IberCultura Viva

IberCultura Viva é um programa de cooperação técnica e financeira entre governos, vinculado à Secretaria Geral Ibero-americana (SEGIB). Criado para fortalecer as políticas culturais de base comunitária dos países ibero-americanos, busca apoiar tanto as iniciativas governamentais dos países membros como as desenvolvidas por organizações culturais comunitárias e povos originários em seus territórios. Estes apoios se realizam por meio de convocatórias públicas.

Atualmente, os países membros do Conselho Intergovernamental IberCultura Viva são: Argentina, Brasil, Chile, Colombia, Costa Rica, El Salvador, Equador, Espanha, México, Peru e Uruguai. Além do trabalho comum entre os governos centrais (nacionais), o programa propõe como linha de ação a articulação com governos locais, que são as instâncias do poder público mais próximas dos sujeitos principais com os quais se trabalha: as organizações culturais comunitárias e os povos originários.

A experiência dos Encontros de Redes

Os Encontros de Redes IberCultura Viva começaram a ser organizados em 2016, com o fim de promover a articulação de um espaço de participação para as redes e organizações culturais de base comunitária e os povos originários. Esta ferramenta demonstrou grande versatilidade e potencialidade para o trabalho intersetorial a partir da formação de grupos de trabalho temáticos; na primeira edição, constituiu-se o Grupo de Trabalho (GT) de Participação Social e Cooperação Cultural. Por isso, em 2017 foi realizado o 2º Encontro de Redes IberCultura Viva, tendo como eixo a articulação com instâncias de governo municipais e estaduais. O resultado foi a criação do GT de Governos Locais, que durante o 3º Encontro de Redes em 2019 constituiu a Rede IberCultura Viva de Cidades e Governos Locais.

A experiência dos Encontros de Redes fez com que em 2017 o Conselho Intergovernamental (CI) aprovasse uma linha de ação específica no Plano Estratégico 2018- 2020. Para este ano de 2020, estava prevista a realização de um Encontro de Redes voltado para a abordagem de temas relacionados a gênero e cultura comunitária, mas devido à situação de emergência sanitária, o CI determinou a ampliação das temáticas para dar lugar às distintas experiências de articulação cultural que vêm se desenvolvendo em nossas comunidades.

CONFERÊNCIA INAUGURAL
18h (ARG-BRA-CHL-URY), 16h (COL-ECU-MEX-PER), 15h (CRI-SLV), 23h (ESP)

“CULTURA COMUNITÁRIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL EM CONTEXTO
DE EMERGÊNCIA SANITÁRIA”

Autoridades de Cultura de oito países participarão da Conferência “Cultura comunitária e desenvolvimento social em contexto de emergência sanitária”

Si el contenido no se reproduce, ingresar a los VIVO desde los botones de abajo
Disculpe las molestias!

CONVERSATÓRIOS

Sete conversatórios estão programados para o 4º Encontro de Redes IberCultura Viva. As 65 pessoas convidadas a participar estão relacionadas às temáticas propostas, sejam como especialistas ou como representantes de organizações culturais comunitárias ou de governos que articulam políticas culturais de base comunitária. São pessoas provenientes de 14 países(*), de perfis variados, que vão desde a parteira tradicional até o pesquisador acadêmico, desde a líder da paróquia rural até as autoridades de ministérios.

As temáticas propostas para o 4º Encontro de Redes são: “Saúde e cultura comunitária”, “Cultura comunitária, gênero e diversidade”, “Educação popular, arte e transformação”, “Estudos sobre cultura comunitária”, “Cultura viva comunitária e políticas culturais”, e “Governos locais e cultura comunitária”. Os conversatórios contam com dois painéis por dia, às 14h e às 17h (horário de Brasília), cada um com a participação de quatro a seis pessoas convidadas. A moderação estará a cargo de pessoas integrantes dos governos dos países membros de IberCultura Viva ou da Unidade Técnica do programa.

Além dos seis conversatorios temáticos, se constituirá um grupo de trabalho especial para o conversatório “Participação social e cooperação cultural”, com três sessões programadas para os dias 25 de setembro, 2 e 9 de outubro. A intenção é que as pessoas participantes deste GT de Participação Social, que serão selecionadas por convocatória, possam reflexionar sobre o trabalho do programa IberCultura Viva, num processo colaborativo para a construção do Plano Estratégico Trienal (PET) 2021-2023.

SEMINÁRIOS

Com o objetivo de contribuir para a melhora das capacidades de gestão das organizações culturais comunitárias e de fortalecer o desenho e a implementação de políticas culturais em nível local, o 4º Encontro de Redes IberCultura Viva incorpora em sua programação três seminários virtuais e gratuitos. As atividades serão realizadas em sessões sincrônicas semanais, às quartas-feiras, e com trabalho em fóruns entre as sessões, de 16 de setembro a 14 de outubro.

Uma das propostas, «Políticas culturais e participação cidadã», teve a colaboração da equipe da Faculdade Latino-americana de Ciências Sociais (Flacso-Argentina), que tem a coordenação acadêmica do Curso de Pós-graduação Internacional em Políticas Culturais de Base Comunitária, que organizamos em conjunto desde 2018.

Já o seminário «Introdução ao Patrimônio Cultural Imaterial» é produto de uma articulação com o Centro Regional para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial da América Latina (CRESPIAL). O objetivo é sensibilizar pessoas dos países membros do Crespial e do IberCultura Viva sobre a salvaguarda do patrimônio cultural imaterial, mediante uma série de encontros virtuais elaborados com base no material de Formação Inicial – Anillo 1 do Crespial.

No caso do seminário “Cultura comunitária, mulheres, gêneros e diversidade”, a proposta é parte da estratégia para a transversalização da perspectiva de género que o programa vem implementando desde 2018 e que conta com um desenho colaborativo, coordenado pela equipe do Programa Pontos de Cultura do Ministério de Cultura do Peru, com o apoio da Direção Nacional de Cultura do Uruguai e da área de Gênero da Secretaria Geral Ibero- americana.

A Direção Nacional de Formação Cultural do Ministério de Cultura da Argentina oferecerá a estrutura para a realização de dois seminários; o de FLACSO será no próprio campus virtual.

MOSTRA DE TÍTERES IBERCULTURA VIVA

MOSTRA DE CINE COMUNITARIO

IBEROAMERICANO 2020

8 DE SETEMBRO DE 2020

CONFERÊNCIA INAUGURAL

CULTURA COMUNITÁRIA E DESENVOLVIMENTO SOCIALL
EM CONTEXTO DE EMERGÊNCIA SANITÁRIA

CONTACTO

8 + 0 = ?