México assumirá a presidência do Conselho Intergovernamental IberCultura Viva

A Secretaria de Cultura do Governo do México terá a presidência do programa IberCultura Viva durante os próximos três anos. A decisão foi acordada nesta quinta-feira 15 de outubro por consenso de representantes de 10 países membros, na reunião extraordinária do Conselho Intergovernamental realizada no encerramento do 4º Encontro de Redes IberCultura Viva. Esta foi a primeira vez que uma reunião do Conselho Intergovernamental foi transmitida ao vivo por Facebook e YouTube.

A função da vice-presidência será exercida pela Secretaria de Gestão Cultural do Ministério de Cultura da Argentina, país que desde 2017 respondia pela presidência do Conselho Intergovernamental. Nos primeiros três anos de implementação do programa, entre 2014 e 2017, a presidência esteve a cargo do Ministério da Cultura do Brasil, por meio da Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural.

O Comitê Executivo, que acompanha a Unidade Técnica na execução dos trabalhos, será integrado por Chile, Colômbia e Costa Rica no período 2021-2023. Esses países têm como representantes institucionais ante o programa, respectivamente, o Departamento de Cidadania Cultural do Ministério das Culturas, das Artes e do Patrimônio, a Direção de Populações do Ministério de Cultura, e a Direção de Cultura do Ministério de Cultura e Juventude.

Os representantes dos países que agora integram o Comitê Executivo, somados ao representante da Direção de Artes do Ministério de Cultura do Peru, formarão a comissão especial de trabalho que preparará, junto com a Unidade Técnica, o Plano Estratégico Trienal (PET 2021-2013) e o Plano Operativo Anual (POA 2021). Nesta proposta serão levados em conta os debates realizados no 4º Encontro de Redes, nas três sessões do conversatório “Participação social e cooperação cultural” que ocorreram nos dias 25 de setembro, 2 e 9 de outubro.

A eleição das novas autoridades do programa e a formação do grupo especial de trabalho para o planejamento do próximo período foram dois dos principais acordos desta reunião do Conselho Intergovernamental, que também contou com a apresentação de um balanço do 4º Encontro de Redes IberCultura Viva.  Estiveram presentes neste encontro virtual 23 pessoas, representantes dos 11 países membros, integrantes da Unidade Técnica e da Secretaria Geral Ibero-americana (SEGIB).

Reunião do Conselho Intergovernamental encerra o 4º Encontro de Redes IberCultura Viva

Uma reunião extraordinária do Conselho Intergovernamental encerrará o 4º Encontro de Redes IberCultura Viva, na próxima quinta-feira 15 de outubro, a partir das 14h (hora de Brasília). O encontro virtual contará com a presença de representantes dos países membros (REPPI) e terá transmissão ao vivo pela página de Facebook e o canal de YouTube do programa.

Nesta reunião será proposta a criação de uma comissão especial de trabalho que prepare, junto com a Unidade Técnica, o planejamento estratégico do período 2021-2013 e o Plano Operativo Anual (POA 2021). Nesta proposta serão levadas em conta as discussões realizadas. durante o 4º Encontro de Redes, em especial nas três sessões do conversatório “Participação social e cooperação cultural”, que ocorrem nas últimas três sextas-feiras (25 de setembro, 2 e 9 de outubro).

Na abertura, depois das palavras de boas-vindas por parte da presidência do programa, será apresentado um balanço sobre a realização do 4º Encontro de Redes IberCultura Viva e o Edital de Apoio a Redes e Trabalho Colaborativo 2020. 

Cada REPPI também deverá fazer um balanço de 10 minutos sobre a participação de seu país no 4º Encontro de Redes e apresentar propostas para os últimos meses de 2020, caso as tenha. Além disso, deverão eleger as novas autoridades para presidir o Conselho Intergovernamental (CI) no período 2021-2023. 

 

Quando?

Quinta-feira, 15 de outubro

14:00 (Argentina, Brasil, Chile, Uruguai)

12:00 (Colômbia, Equador, México, Peru)

11:00 (Costa Rica, El Salvador)

19:00 (Espanha)

 

“Estudos sobre cultura comunitária” encerra a programação de conversatórios temáticos do 4º Encontro de Redes 

As políticas culturais de base comunitária (PCBC) têm se transformado nos últimos anos em objeto de estudo com interesse na pesquisa acadêmica de várias disciplinas, tanto das ciências sociais como das ciências humanas. Desde as formas de  produção ou criação de significados no campo popular até a relação entre práticas culturais e participação social, passando pelas dinâmicas de articulação social e a relação com o habitat e o ambiente, os Estudos sobre Cultura Comunitária se apresentam como um importante auxiliar para a elaboração e a implementação das PCBC na Ibero-América.

O conversatório que será realizado na próxima terça-feira 6 de outubro propõe-se como um espaço para reflexionar sobre as perspectivas da cultura comunitária como política cultural, com uma visão desde a academia e dos direitos culturais. O primeiro painel, que começará às 14h (hora de Argentina), terá a moderação de Valeria López López, do Programa Cultura Comunitária da Secretaria de Cultura do Governo do México. A segunda sessão, às 17h, será moderada por Rosario Lucesole (Argentina), consultora de projetos do programa IberCultura Viva.

Participam do primeiro painel: Damián Del Valle (Argentina), coordenador do Grupo de Trabalho CLACSO Artes, Educação e Cidadania; Nicolás Lozano Galindo (Colômbia), politólogo, ex-coordenador técnico do Centro Regional para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial da América Latina (CRESPIAL-UNESCO); Marielba Herrera Reina (El Salvador), presidenta da Rede de Estudos Afro-centro-americanos; Eduardo Nivón Bolán (México), doutor em antropologia, especialista em movimentos sociais, políticas culturais e cultura urbana; Elodie Bordat-Chauvin (Francia), doutora em Ciências Políticas e diretora do Mestrado de Política e Gestão da Cultura no Institut d’Etudes Européennes da Universidade Paris 8.

O segundo painel conta com a presença de Juan Aranovich (Argentina), diretor nacional de Formação Cultural do Ministério de Cultura; Carlos Bonfim (Brasil), doutor em Integração da América Latina e coordenador do grupo de pesquisas em Práticas Artísticas e Pensamento Crítico na América Latina na Universidade Federal da Bahia; Tomás Peters (Chile), doutor em Estudos Culturais e docente do Instituto da Comunicação e Imagem da Universidade do Chile; Andrea Mata Benavides (Costa Rica), doutoranda em Ciências Sociais (FLACSO) e docente da Escola de Artes Dramáticas da Universidade de Costa Rica; Luisa Velásquez Santiago (México). mestranda em Desenvolvimento e Gestão Cultural na Universidade de Guadalajara; Jaron Rowan (Espanha), diretor de Pesquisa e coordenador da Unidade de Pesquisa e Doutorado da BAU, Centro Universitário de Design, em Barcelona.

Este é o último dos conversatórios temáticos programados para o 4º Encontro de Redes IberCultura Viva. Na sexta-feira 9 de outubro, às 14h (hora de Argentina), será realizada a terceira e última sessão do grupo de trabalho “Participação social e cooperação cultural”, que desde a sexta-feira 25 de setembro está reunido para reflexionar sobre o desenvolvimento do programa e aportar para a construção do Plano Estratégico Trienal 201-2023 do IberCultura Viva. 

Os bate-papos terão transmisão ao vivo pela página de Facebook do IberCultura Viva e o canal do programa no YouTube (www.youtube.com/iberculturaviva). Também poderão ser acompanhados através da página web do evento: www.encuentroderedes.org.

 

Quem participa

 

PAINEL 1 – Terça-feira 6 de outubro 

14h (ARG-BRA-URY-CHL), 12h (COL-ECU-MEX-PER), 11h (CRI-SLV), 19h (ESP)

 

Damián Del Valle (Argentina) 

Formado em Sociologia pela Universidad Nacional de la Plata (UNLP). Coordenador da Plataforma Regional de Integração Universitária (PRIU – IEC). Doutorando em Educação na Universidade Nacional de Córdoba. Atualmente é secretário de Desenvolvimento e Vinculação Institucional do Reitorado da Universidad Nacional de las Artes (UNA) e como professor-pesquisador da mesma universidade. É professor regular de Políticas Educativas da área transdepartamental de formação docente da UNA e do seminário Administração Cultural Pública no Mestrado em Cultura Pública, diretor da Diplomatura em Mediação Cultural da UNA, e coordenador do Grupo de Trabalho CLACSO Artes, Educação e Cidadania.

 

Nicolás Lozano Galindo (Colombia) 

Politólogo da Universidade Nacional de Colombia. Tem experiência em políticas culturais, interculturalidade, acesso cidadão aos direitos culturais, patrimônio material e imaterial, memória cultural e sistemas de participação em cultura. Tem se desempenhado como coordenador técnico do Centro Regional para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial da América Latina (CRESPIAL-UNESCO). Foi assessor  do Grupo de Patrimônio Imaterial do Ministério de Cultura da Colômbia e do Instituto Distrital de Patrimônio Cultural da cidade de Bogotá. Também coordenou projetos de cooperação internacional em relação a comunidades afrodescendentes e camponesas. Atualmente se encontra cursando  o mestrado MA Cultural Policy, Relations and Diplomacy em Goldsmiths University of London.

 

Marielba Herrera Reina (El Salvador) 

Antropóloga afro-salvadorenha. Membro da Rede de Mulheres Afro-latino-americanas, Afro-caribenhas e da Diáspora. Tem pesquisado e publicado sobre expressões culturais de povos indígenas e afrodescendentes em diversos países latino-americanos. Atualmente, é a presidenta da Rede de Estudos Afro-centro-americanos, que trabalha em conjunto com as populações de afrodescendentes no istmo centro-americano e é fundadora das Jornadas Internacionais de Estudos Afro-centro-americanos.

 

Eduardo Nivón Bolán (México) 

Doutor em antropologia pela Universidade Nacional Autônoma de México (UNAM). Especialista em movimentos sociais, políticas culturais e cultura urbana. Coordenador desde 2004 da Especialização em Políticas Culturais e Gestão Cultural na Universidade Autônoma Metropolitana (UAM)-Unidade Iztapalapa, onde também é coordenador do corpo acadêmico de Cultura Urbana.

 

Elodie Bordat-Chauvin (França)

Doutora em Ciências Políticas pela Sciences Po Aix e formada em etnologia pela Escuela Nacional de Antropología e Historia do México. Dirige o Mestrado de Política e Gestão da Cultura no Instituto de Estudos Europeus da Universidade Paris 8. Especialista em políticas culturais comparadas entre México e Argentina. Realizou um estágio no Ministério de Cultura da Argentina em 2017 graças a um pós-doc do CONICET. Publicou vários artigos e dois livros sobre políticas culturais no México e na Argentina, dos quais sua versão em espanhol é esperada em breve.

 

Valeria López López (México)

Formada em Ciências Políticas e Administração Pública pela Faculdade de Ciências Políticas e Sociais da Universidade Nacional Autónoma de México (UNAM). Cursou a licenciatura em Literatura Dramática e Teatro na Faculdade de Filosofia e Letras (FFyL) da UNAM, onde especializou-se na área de Teatrologia. Também cursou Políticas Culturais e Gestão Cultural na Universidade Autônoma Metropolitana (UAM-Iztapalapa), e a pós-graduação em Políticas Culturais de Base Comunitária FLACSO/IberCultura Viva. Atualmente trabalha no programa Cultura Comunitária da Direção Geral de Vinculação Cultural da Secretaria de Cultura do Governo do México, como responsável pela Direção de Animação Cultural. A partir de 2012 incursiona pelo circo, onde tem trabalhado como assistente de direção, produtora executiva, programadora e gestora cultural. Em 2017 fundou Anarama – Investigación y Gestión Cultural A.C., com o objetivo de criar projetos de pesquisa e desenvolvimento cultural. 

 

PAINEL 2 – Terça-feira 6 de outubro

17h (ARG-BRA-URY-CHL), 15h (COL-ECU-MEX-PER), 14h (CRI-SLV), 22h (ESP)

Juan Aranovich – Dirección Nacional de Formación Cultural (Argentina) 

Gestor e ativista cultural, conta com estudos de pós-graduação em Gestão e Política em Cultura e ComunicaÇão pela FLACSO e Psicologia pela Universidad de Buenos Aires. Foi docente em UMET e FLACSO. Atualmente é diretor nacional de Formação Cultural no Ministério de Cultura da Argentina. É fundador e ex-director do Club Cultural Matienzo, e fundador do MECA (Movimento de Espaços Culturais e Artísticos)

 

Carlos Bonfim – Universidade Federal da Bahia (Brasil) 

Doutor em Integração da América Latina pela Universidade de São Paulo. Realizou pesquisa de pós-doutorado no Centro de Estudos Superiores do México e Centroamérica da Universidade de Ciências e Artes de Chiapas, México. É docente do Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Prof. Milton Santos, da Universidade Federal da Bahia, onde coordena o grupo de pesquisa em Práticas Artísticas e Pensamento Crítico na América Latina e o projeto Rede Ao Redor, uma cartografia de iniciativas juvenis em arte, comunicação e cultura. Entre 2007 e 2017 coordenou o projeto Latitudes Latinas, dedicado à difusão da música e a arte latino-americana. Tem coordenado junto a José Tasat (da Untref) o seminário Pensar América: pensadores latino-americanos em diálogo. É  membro da Associação Internacional para o Estudo da Música Popular – Rama América Latina (IASPM-AL) e curador internacional do Festival Negramérica: cultura e periferia. 

Tomás Peters (Chile)

Sociólogo e doutor em Estudos Culturais pelo Birkbeck College, University of London. Suas áreas de pesquisa são sociología da arte e da cultura, estudos culturais e história e teoria das políticas culturais na América Latina. É professor do Instituto da Comunicação e Imagem da Universidad de Chile. 

 

 

Andrea Mata Benavides (Costa Rica) 

Antropóloga social e teatreira. Docente da Escola de Artes Dramáticas da Universidad de Costa Rica. Doutoranda de FLACSO Argentina. Atualmente desenvolve a tese de doutorado “A ação coletiva do movimento latino-americano Cultura Viva Comunitária nos casos de Costa Rica e Argentina”. 

 

 

Luisa Velázquez Santiago (México) 

Formada em Artes Cênicas, especialista em Políticas Culturais e Gestão Cultural pela UAM e mestranda em Gestão e Desenvolvimento Cultural pela UdeG. Participou de diversos cursos e seminários sobre políticas públicas e desenvolvimento comunitário. Atualmente é responsável pela chefia do programa Zapopan Comunitária no governo municipal de Zapopan (Jalisco). Sua prática cultural tem se guiado por processos pedagógicos centrados principalmente em infâncias. Em 2015, fundou o Centro Cultural Comunitário Kóokay, para o qual dirigiu diversos projetos, como El Fresno Brilla, a biblioteca comunitária Entre Letras, o Circo Luciérnaga, e a orquestra infantil e juvenil ECOS-Kóokay. Desde 2017 participa ativamente da Rede Latino-americana de Cultura Viva Comunitária. 

 

Jaron Rowan (Espanha) 

Pesquisador, professor e escritor. É diretor de Pesquisa e coordenador da Unidade de Pesquisa e Doutorado da BAU, Centro Universitário de Design, em Barcelona. Escreveu os libros “Emprendizajes en cultura” (Traficantes de Sueños, 2010), “Memes: inteligencia idiota, política rara y folclore digital” (Capitan Swing, 2015) e “Cultura libre de Estado” (Traficantes de Sueños, 2016). Também foi colaborador e coautor de livros como “Innovación en Cultura” (Traficantes de Sueños, 2009), “Cultura libre digital” (Icaria, 2012) e “La tragedia del copyright” (Virus, 2013), além de colaborar com jornais e revistas.

 

Rosario Lucesole (Argentina) – Moderadora

Consultora de projetos da Unidade Técnica do IberCultura Viva. Trabalha na Direção Nacional de Formação Cultural do Ministério de Cultura da Argentina. Licenciada em Artes Combinadas pela Universidade de Buenos Aires (UBA). Especialista em Gestão Cultural e Políticas Culturais (IDAES-UNSAM) e mestranda em Estudos Culturais na América Latina (UBA). Coordenadora e docente da Diplomatura em Mediação Cultural (UNA/CLACSO), e docente de História Sociocultural da Arte (Universidad Nacional de las Artes-UNA), do Mestrado em Cultura Pública (UNA), e da Pós-graduação Internacional de Políticas Culturais de Base Comunitária na Faculdade Latino-americana de Ciências Sociais (FLACSO-Argentina).

 

 

Como inscrever-se para as mesas do GT “Participação social e cooperação cultural” 

Nas próximas sextas-feiras 2 e 9 de outubro, o grupo de trabalho que se formou para o conversatório “Participação social e cooperação cultural” seguirá reflexionando sobre o desenvolvimento do programa IberCultura Viva e contribuindo para a construção do Plano Estratégico Trienal (PET) 2021-2023. Quem quiser participar do webinário como assistente, com possibilidade de intervir no fórum de perguntas e respostas, deve se inscrever pelo link https://us02web.zoom.us/webinar/register/WN_K4rrQKpaQe-IXGsZ-48reg

Quem se inscreveu para participar da primeira sessão, no dia 25 de setembro, já está inscrito/a para as duas próximas sessões. Nesta sexta-feira, 2 de outubro, o tema da mesa será “Mecanismos, propostas metodológicas e caminhos de participação”. A terceIra e última mesa, que se realizará em 9 de outubro, abordará a temática “Brecha digital e cultura comunitária”. As sessões começarão às 14:00 (hora de Brasília). 

Além de inscrever-se via Zoom para poder intervir no fórum de perguntas e respostas do webinário, as pessoas interessadas em contribuir com o Plano Estratégico Trienal do programa IberCultura Viva poderão completar o formulário publicado durante a primeira sessão (aqui está o link: https://bit.ly/3cEOO6Q) e colaborar com o WikiSprint-Mapeo de experiências e saberes comunitários. Cada sessão terá um formulário WikiSprint difundido durante o conversatório, e este formulário ficará disponível durante a semana, até a sessão seguinte.

  

Segunda mesa

A mesa “Mecanismos, propostas metodológicas e caminhos de participação”, que se realizará nesta sexta-feira, discutirá, por exemplo, como colaborar com a elaboração, o planejamento,  a implementação, o acompanhamento e a avaliação de mecanismos públicos que garantam direitos culturais transversais em políticas culturais de base comunitária que eliminem a estigmatização e ações de discriminação de práticas e expressões culturais. Ou que elementos de práticas poderiam ser referências estratégicas para colocar-se em construção de metodologias ou mecanismos de inclusão na tomada de definições públicas em matéria cultural e governança cultural. 

As 12 pessoas que atuarão como painelistas nesta mesa, com direito a câmera e microfone, foram selecionadas por convocatória (as inscrições  estiveram abertas entre 4 e 14 de setembro). São elas: Aurora Beatriz Silva (Argentina), Andrés Ares (Argentina), Veronica Rossana Pizarro Cruz (Chile), Guillermo Martín Maceiras Gómez (Espanha), Rocío Orozco Sánchez (México), Rut Mendoza Garcia (México), Alejandro Rodríguez Hernández (México), Delia Hernández Pastor (México), Victoria Contreras Peña (México), Aldo Adrián Nuño López (México), Florencia Gabriela De Armas Cándido (Uruguai) e Lucía Zapien Osuna (México). 

A moderadora será Valeria López López, do programa Cultura Comunitária da Secretaria de Cultura do México, que organiza este conversatório. O encontro terá transmissão ao vivo pelo canal de YouTube e a página de Facebook de IberCultura Viva a partir das 14:00 (hora de Brasília). 

 

Aquí está el link de inscripción al webinario:

https://us02web.zoom.us/webinar/register/WN_K4rrQKpaQe-IXGsZ-48reg

Aquí el formulario de WikiSprint de la primera sesión: https://bit.ly/3cEOO6Q

Saúde e cultura comunitária: um espaço para pensar em práticas de cuidado coletivas e solidárias

O conversatório “Saúde e cultura comunitária”, que se realizará nesta terça-feira, 29 de setembro, abordará as ações e experiências comunitárias que favorecem a promoção da saúde, em suas três dimensões: física, mental e social, assim como práticas de cuidado coletivas e solidárias em favor da identidade cultural, da construção da memória coletiva e da recuperação de saberes ancestrais.

O encontro se dividirá em dois painéis, às 14h e às 17h (considerando o horário da Argentina), com transmissão ao vivo pela página de Facebook de IberCultura Viva e do canal do programa no YouTube. As pessoas convidadas são provenientes de oito países, com perfis variados que incluem desde médicos e psicólogos até integrantes de coletivos e Pontos de Cultura, uma parteira tradicional, uma presidenta de associação indígena, e uma representante da junta de uma paróquia rural especializada em medicina ancestral.

 

Quem participa

PAINEL 1 -Terça-feira, 29 de setembro 

14h (ARG-BRA-URY-CHL), 12h (COL-ECU-MEX-PER), 11h (CRI-SLV), 19h (ESP)

 

Matías Gallastegui – Asociación Civil El Hormiguero/ Escuela Popular de Salud Comunitaria (Argentina) 

Médico especializado em Medicina Geral. Militante de El Hormiguero. Coordenador da Escola Popular de Saúde Comunitária. Diretor geral de Redes de Saúde no município de Quilmes. Ajudante de Saúde Pública na Faculdade de Medicina da Universidade de Buenos Aires (UBA).

 

Noelia Assales – Ponto de Cultura Semilla del Sur (Argentina)

Realizadora audiovisual. Integrante da Associação Civil Semilla del Sur, uma organização que acumula 15 anos de construção coletiva no Valle de Calamuchita, Córdoba, Argentina. Seu trabalho tem como eixos a soberania alimentar, a economia social, a comunicação comunitária, a cultura e o meio ambiente, entre outros.

 

 

Carolina Herrera Rojas (Chile) 

Gestora cultural e pesquisadora do patrimônio imaterial e de bailes chinos. É diplomada em Desenvolvimento Territorial com Identidade Cultural (Pontificia Universidad Católica del Perú) e em Gestão Estratégica Regional (Universidad Central de Chile). É presidenta da Associação Indígena Cultural ELKE, Arte, Cultura y Educación. Ministra oficinas, bate-papos e relatorias que contribuem para a recuperação do patrimônio alimentar indígena e da comida mestiça da região de Coquimbo, Chile. Fortalece a revitalização da medicina ancestral e a ritualidade indígena diaguita através do desenvolvimento de práticas herdadas. É descendente do povo diaguita. 

Andrea Ruiz Hidalgo – Coletivo Vamos a Sembrar (Costa Rica) / Processo: Las niñas del Bosque Nuboso: Laboratorio de Exploración Artística en Monteverde 

Profissional da psicologia e das belas artes, ceramista e agroecóloga. Tem trabalhado em projetos sociais e comunitários utilizando a arte como uma ferramenta de transformação social. Atualmente faz parte de Vamos a Sembrar, organização da sociedade civil dedicada à gestão cultural comunitária, promovendo espaços para o bem viver, abordando temáticas referentes a agroecologia, permacultura, arte, meios expressivos e desenvolvimento humano de maneira integral.

 

Facebook: https://www.facebook.com/VamosASembrarcr/

Instagram: https://www.instagram.com/vamosasembrar_cr/

 

Sora

Evalinda Barrón Velázquez (México) 

Médica formada pela Universidad Nacional Autónoma de México (UNAM), com especialidade em psiquiatria, e mestre em Ciências Médicas (UNAM) e em Administração Pública (Universidad del Valle de México). Trabalhou no Conselho da Judicatura Federal como médica especialista, e é colaboradora da Organização Nacional de Transtorno Bipolar e Depressão em Atenção Psiquiátrica. Atualmente se desempenha como diretora de Vinculação na Comissão Nacional contra as Adições e como coordenadora técnica da Estratégia Nacional para a Prevenção de Adições.

 

 

Tania Quevedo (Equador) 

Trabalha como técnica na Direção de Política Pública da Subsecretaria de Empreendimentos, Artes e Inovação do Ministério de Cultura e Patrimônio do Equador. Seus temas de trabalho são a cultura viva comunitária, a diversidade cultural e as políticas públicas transversais. Vinculada à dança e ao teatro, participa em agrupações artísticas e comunitárias de artes vivas e música popular. Se formou em Gestão da Arte e da Cultura e organizações culturais territoriais na Universidad Nacional de Tres de Febrero (UNTREF) e na Universidade Nacional de San Martín (UNSAM), na Argentina. 

 

 

PAINEL 2 – Terça-feira 29 de setembro, 17h (hora de Brasília)

 

Liceth Quiñones – Asociación de Parteras del Pacífico (Colômbia) 

Parteira tradicional. Diretora da Associação de Parteiras Unidas do Pacífico (Asoparupa). Membro coordenador da Rede Nacional de Parteria Tradicional. Representante ante o Conselho Nacional de Patrimônio e a Aliança Latino-americana de Parteiras. Nomeada recentemente como representante de Patrimônio Cultural do distrito de Buenaventura. Leva uma longa trajetória de trabalho comunitário com foco na reivindicação da parteria como medicina ancestral, direitos da mulher, direitos étnicos, territoriais, proteção do Viche, direitos sexuais e reprodutivos e nutrição infantil desde a vida no útero. 

 

Site: https://www.asoparupa.org.co

Facebook: https://www.facebook.com/asoparupa/

Instagram: https://www.instagram.com/asoparupa/

Twitter: https://twitter.com/asoparupa

 

Ezequiel Varela – (Argentina) 

Militante de La Cámpora. Estudante da Licenciatura em Gestão Cultural da Universidade Nacional de Avellaneda. Foi presidente do Centro de Estudantes de Humanidades e Artes da UNDAV. É diretor geral de Políticas Socioculturais da Secretaria de Educação, Culturas e Esportes da Municipalidade de Quilmes.

 

 

Elides Rivera Navas – Mujeres Mano de Tigre (Costa Rica) / Processo: Puntos de Cultura de Orcuo 

Gestora comunal e cultural. Ativista dos direitos humanos e ambientais do povo indígena. Defensora dos direitos das mulheres. Diretora de Mano de Tigre Orcuo Dbön, uma organização de mulheres formada por membros da tribo indígena Teribe, dedicada a preservar sua cultura tradicional dentro da comunidade.

 

 

Rosa Ayala (Equador) 

Vocal da junta da paróquia rural de Chugchilan, um povoado que se encontra no cantão Sigchos, provincia de Cotopaxi. Especializa-se em medicina ancestral. 

 

 

 

 

Lucía Freyre Camborda – Coletivo Descosidos (Peru) 

Formada em Psicologia com menção em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica do Peru (PUCP). Integrante há cinco anos do Coletivo Descosidos, uma organização comunitária que busca contribuir para a desmistificação da doença mental a partir da realização de projetos interdisciplinares em hospitais psiquiátricos. Atualmente trabalha como assistente de docência na PUCP e faz parte de grupos de pesquisa dentro da universidade.

 

Facebook: https://www.facebook.com/colectivodescosidoscomunicacionysaludmental/

Instagram: https://www.instagram.com/colectivo_descosidos/

 

Robert Urgoite – Colectivo Tierra Negra, Cultura y Salud Comunitaria (Uruguai) 

Ser que se vincula e produz coletivamente como psicólogo, pesquisador de territorialidades, gestor cultural feito na frágua que configuram desejos, burocracia e territorialidades culturais. Burocrata, padeiro, remador recreativo, cozinheiro canábico, pai, filho, callejero errante, boxeador amador, pescador, percussionista, grande anfitrião, afro-umbandista, candombero, não tão alcoólico na luta pelo desejo de habitar a vida. Em permanente desenho.

 

Eduardo Reyes (Costa Rica) 

Antropólogo, gestor cultural e ultramaratonista de montanha. Trabalha há mais de 11 anos no Ministério de Cultura e Juventude de Costa Rica, onde atualmente é o encarregado do programa Pontos de Cultura, que se gestiona desde a Direção de Cultura. Apaixonado pelos processos vinculados à formulação de projetos culturais e que permitem às organizações e seus membros ter ferramentas de trabalho a curto e médio prazo, além de um louco entusiasta que busca correr pelo mundo levando a mente e o físico ao limite.

 

 

Governo de San Luis Potosí realiza o conversatório “Direitos culturais e fomento da criatividade” 

O Governo Municipal de San Luis Potosí (México) impulsiona desde 2019 a construção coletiva de um marco de garantias locais em matéria de cultura e direitos humanos: a Carta da Cidade pelos Direitos Culturais. A iniciativa, desenvolvida em conjunto com a representação da UNESCO no México e a Comissão Estadual de Direitos Humanos de San Luis Potosí, contou com a participação de 282 agentes culturais em 15 mesas de trabalho realizadas durante dois conversatórios internacionais, bem como o recebimento e o registro de 69 propostas para a ação cultural local.

As jornadas UNESCO San Luis começaram em 7 de dezembro de 2019 com uma discussão sobre “Direitos culturais e igualdade territorial” na Universidade Autônoma de San Luis Potosí (UASLP). O segundo encontro, com o tema “Democracia cultural e direitos culturais“, foi realizado no dia 1º de fevereiro no Colégio de San Luis. A terceira, sobre “Direitos Culturais e Promoção da Criatividade”, estava marcada para o dia 28 de março, mas foi suspensa devido à emergência sanitária. O encontro ocorrerá agora, virtualmente, entre 29 de setembro e 1º de outubro, às 18h (horário da Cidade do México), com transmissão pelo Facebook de UNESCO México.

Duas dessas jornadas se enquadram como atividades anexas ao 4º Encontro de Redes IberCultura Viva e contam com a participação do programa. O painel da quarta-feira, 30 de setembro, “Políticas culturais para a resiliência”, terá a presença do argentino Emiliano Fuentes Firmani, secretário técnico de IberCultura Viva, e dos mexicanos Ernesto Piedras, especialista em economia cultural, e Lucina Jiménez, especialista em políticas culturais e desenvolvimento sustentável, educação em artes, direitos culturais e cultura de paz. 

O segundo painel, na quinta-feira 1º de outubro, será “Inovação para o reencontro”, com a participação de Esther Hernández, diretora geral de Vinculação Cultural da Secretaria de Cultura do Governo do México (e representante nacional ante o programa IberCultura Viva); Conrado Romo, do Laboratorio de Paz desde lo Común, da Secretaria de Segurança de Jalisco, e Gabriela Anguiano, subdiretora de Educação Continuada de Cultura Comunitária para a Cidade de México.

Este ciclo de vídeo-diálogos on-line e ao vivo pretende incitar a reflexão e o intercâmbio entre agentes locais, sobre os possíveis conteúdos da Carta da Cidade de San Luis Potosí pelos Direitos Culturais. “Políticas culturais para a resiliência” é um espaço que busca identificar e destacar os componentes necessários para uma política pública local em matéria de cultura, partindo de reconhecer a nova série de desafios sem precedentes que deixa ao setor a emergência sanitária por COVID-19. 

“Inovação cultural para o reencontro na nova normalidade”, por sua vez, busca ser um espaço de reflexão em torno ao desafio da recuperação afetiva e ocupação criativa do espaço público e dos territórios, com as ferramentas da arte e da cultura, após o período de confinamento obrigatório pela pandemia.

 

Saiba mais sobre as pessoas participantes:

 

Quarta-feira 30 de setembro

  • Emiliano Fuentes Firmani

Gestor da arte e da cultura e doutorando de Estudos Sociais na América Latina pela Universidade Nacional de Córdoba. Possui vasta experiência na coordenação e promoção de políticas culturais de diversidade e cidadania. Atualmente é secretário técnico do Programa IberCultura Viva.

 

  • Lucina Jiménez

É doutora em Ciências Antropológicas pela Universidade Autônoma Metropolitana (UAM). Especialista em políticas culturais e desenvolvimento sustentável, educação em artes, direitos culturais e cultura de paz. Atualmente se desempenha como diretora geral do Instituto Nacional de Belas Artes e Literatura.

 

  • Ernesto Piedras

Economista pela London School of Economics. Diretor geral de The Competitive Intelligence Unit. Colunista em matéria de economia e membro do Conselho Cidadão de Radio Educação. Autor do livro “¿Cuánto vale la cultura? Contribución económica de las industrias creativas en México”.

 

  • Sofía Córdova Nava (moderadora)

Ativista pelos direitos humanos das mulheres. Esteve à frente de Educación y Ciudadanía AC (Educiac), organização civil que busca o reconhecimento coletivo das pessoas como sujeitas de direito através de processos participativos que dignifiquem a vida para a transformação social. Atualmente é titular do Programa Puerta Violeta e da Instância Municipal das Mulheres em San Luis Potosí.

 

Quinta-feira, 1 de outubro

  • Esther Hernández

Pedagoga pela Universidade Nacional Autónoma de México (UNAM). Promotora e gestora cultural com experiência na elaboração e implementação de projetos culturais e artísticos com enfoque comunitário. Atualmente é diretora geral de Vinculação Cultural e tem a seu cargo o Programa Nacional Cultura Comunitária.

 

  • Conrado Romo

Mestre em Urbanismo pela Universidade de Guadalajara (UdeG). É consultor em matéria de participação cidadã, inovação governamental, dados abertos e comunicação. Tem escrito para meios como Horizontal.mx, o Fanzine e U Gob. É realizador multimídia, agitador cultural, promotor da cultura livre, da pirataria e dos bens comuns.

 

  • Gabriela Anguiano

Mestre em Gestão e Direção de Indústrias Culturais pela Universidade Europeia Miguel de Cervantes. Hasta 2018 dirigiu o laboratório de vinculação cultural RedLab. É coordenadora do Festival Nacional Levadura de Cultura Comunitária e se encontra à frente do Centro Cultural “El Rule, Comunidad de Saberes”.

 

  • Oscar Montero García (moderador)

Diretor da Coordenação Acadêmica em Arte e do Centro Universitário das Artes da Universidade Autônoma de San Luis Potosí. É roteirista de cinema e televisão pelo Centro de Capacitação Cinematográfica (CCC). Membro ativo da Sociedade Geral de Escritores do México (SOGEM). Autor de textos didáticos e especializados sobre cinema e roteiro audiovisual, assim como das obras “E uma dura chuva cairá” e “O filho do trovão”.

 

Onde assistir?

https://www.facebook.com/UNESCOMX/

www.facebook.com/iberculturaviva

https://www.facebook.com/CulturaSanLuisPotosi

Saiba mais: Unesco San Luis – ResiliArt – Carta de navegación

 

Leia também:

Segunda jornada UNESCO San Luis debate “Derechos culturales y democracia cultural”

Comienzan las jornadas “Hacia una Carta de la Ciudad de San Luis Potosí por los Derechos Culturales”

La Carta de la Ciudad de San Luís Potosí por los Derechos Culturales: una construcción participativa

 

(*) San Luis Potosí é uma das municipalidades integrantes da Rede IberCultura Viva de Cidades e Governos Locais. Saiba mais sobre a rede em http://iberculturaviva.org/rede-de-cidades/?lang=es

 

UASB promove o fórum “Direitos culturais e cidadania: que políticas culturais para o presente?” 

A Universidade Andina Simón Bolívar (UASB-Sede Equador) realizará na sexta-feira 2 de outubro o fórum “Direitos culturais e cidadania: que políticas culturais para o presente?”, como uma das atividades de encerramento da fase de docência da primeira turma do programa do Mestrado em Gestão Cultural e Políticas Culturais (2019-2021). Esta é uma das atividades anexas ao 4º Encontro de Redes IberCultura Viva, que se desenvolve de maneira virtual até 15 de outubro, e terá transmissão ao vivo pela página de Facebook do programa e da universidade a partir das 18:00 (hora do Equador).

Participarão do fórum Emiliano Fuentes Firmani (Argentina), secretário técnico de IberCultura Viva; Víctor Manuel Rodríguez (Colômbia), PhD em Estudos Visuais e Culturais (University of Rochester) e docente desse mestrado da UASB; Claudia Bugueño, coordenadora de BiblioRecreo e mestranda; Jaime Sánchez, artista e antropólogo visual, subdecano da Faculdade de Arquitetura, Design e Artes da Pontifícia Universidade Católica del Ecuador. A moderadora será Paola de la Vega, coordenadora do mestrado.

Com este encontro virtual se pretende construir um diálogo sobre políticas culturais situadas em um campo expandido, transversal e móvel da cultura que responde a práticas de base comunitária, organização política, mediação e pedagogia crítica, políticas culturais em contexto, entre outras, voltadas para o exercício e exigibilidade de direitos culturais. A proposta é de pensar coletivamente esses eixos, atendendo ao lugar da cultura nas políticas e na crise do presente. 

 

 

¿Onde assistir?

Sexta-feira 2 de outubro, 18:00 (hora do Equador)

https://www.facebook.com/AndinaVirtual

www.facebook.com/iberculturaviva

 

 

 

Formadas as três mesas do Grupo de Trabalho “Participação social e cooperação cultural”

Trinta pessoas de nove países foram selecionadas para integrar o grupo de trabalho que participará dos conversatórios “Participação social e cooperação cultural”, coordenados pela equipe do programa Cultura Comunitária da Secretaria de Cultura do Governo do México. Essas pessoas estarão divididas em três mesas de trabalho, onde poderão reflexionar sobre o desenvolvimento do programa IberCultura Viva, em um processo colaborativo para a construção do Plano Estratégico Trienal (PET) 2021-2023.

As sessões estão programadas para os dias 25 de setembro, 2 e 9 de outubro, e serão realizadas de maneira virtual, via Zoom, com transmissão ao vivo pelo canal do YouTube e a página de Facebook do IberCultura Viva a partir das 14h (hora de Brasília). As 30 pessoas selecionadas por convocatória serão participantes estratégicas do webinário e estarão presentes como painelistas.

Além delas, quem quiser participar do webinário como assistente poderá se inscrever pelo link https://us02web.zoom.us/webinar/register/WN_K4rrQKpaQe-IXGsZ-48reg. Os assistentes poderão participar do fórum de perguntas e respostas do webinário.

As inscrições para participar deste grupo de trabalho estiveram abertas entre os dias 4 e 14 de setembro no Mapa IberCultura Viva. As pessoas interessadas puderam inscrever-se em três bate-papos com as seguintes temáticas: “Políticas culturais de base comunitária para a pós-pandemia” (25 de setembro); “Mecanismos, propostas metodológicas e caminhos de participação” (2 de outubro), e “Brecha digital e cultura comunitária” (9 de outubro).

Mesa 1: Políticas culturais de base comunitária para a pós-pandemia

Na primeira mesa, que se realizará na sexta-feira 25, a intenção é debater temas vinculados à diversidade cultural, às práticas e experiências culturais, ao direito à saúde, à soberania alimentar, às populações de atenção prioritária, à perspectiva de gênero, entre outros. Como as políticas culturais locais têm contribuído e proposto ações para mitigar os efeitos não positivos advindos da pandemia, em relação ao acesso, a participação e contribuição na vida cultural dos jovens e das mulheres? Como poderíamos difundir boas práticas de atenção à saúde, desde tradições de cuidados preventivos, práticas curativas e medicina tradicional?

Participarão desta primeira sessão: Celia Soler (Argentina), Mariana Daniela Arce (Argentina), Yuri Guedes de Lavor (Brasil), Luis Enrique Pacheco (Chile), Eric David Madrigal Venegas (Costa Rica), Tania Alvarez Chavarria (Costa Rica), Lucia Mariana Ramírez Ugalde (México), Yuri Alejandro Meza Gómez (México), Emmanuel Audelo Enríquez (México), Gabriela Belén Palacios (México), Efrain Ernesto Agüero Solorzano (Peru) y Pamela Soldalila Otoya Sarca (Peru). A moderação estará a cargo de Maximiliano Uceda, secretário de Gestão Cultural do Ministério de Cultura da Argentina e presidente do Conselho Intergovernamental IberCultura Viva.

 

 

Mesa 2: Mecanismos, propostas metodológicas e caminhos de participação

Na segunda mesa, “Mecanismos, propostas metodológicas e caminhos de participação” (2/10), se discutirá, por exemplo, como contribuir para a elaboração, o planejamento, a implementação, o acompanhamento e a avaliação de mecanismos públicos que garantam direitos culturais transversais em políticas culturais de base comunitária que eliminem a estigmatização e ações de discriminação de práticas e expressões culturais. Ou que elementos de práticas poderiam ser referências estratégicas para colocar-se em construção de metodologias ou mecanismos de inclusão na tomada de definições públicas em matéria cultural e na governança cultural.

Nesta sessão estarão: Aurora Beatriz Silva (Argentina), Aurora Beatriz Silva (Argentina), Veronica Rossana Pizarro Cruz (Chile), Guillermo Martín Maceiras Gómez (Espanha), Rocío Orozco Sánchez (México), Rut Mendoza Garcia (México), Alejandro Rodríguez Hernández (México), Delia Hernández Pastor (México), Victoria Contreras Peña (México), Aldo Adrián Nuño López (México), Florencia Gabriela De Armas Cándido (Uruguai) e Lucía Zapien Osuna (México). A moderadora será Valeria López López, do programa Cultura Comunitária da Secretaria de Cultura do México.

Mesa 3: Brecha digital e cultura comunitária 

A terceira e última mesa, “Brecha digital e cultura comunitária” (9/10), debaterá a ativação de redes durante a pandemia e o processo de integração de organizações de cultura comunitária a novas tecnologias para seus afazeres cotidianos. Que mecanismo de associatividade foi utilizado entre os coletivos? Quais as estratégias, desde as políticas culturais, foram implementadas para diminuir a brecha de idade e gênero entre a comunidade artístico-cultural? As organizações culturais comunitárias têm ocupado o espaço público virtual disponível para a promoção e a difusão dos direitos culturais entre suas redes?

Esta sessão contará com a presença de Moisés Alberto Rioja, de Wayruro Comunicación Popular (Argentina); Isela Xospa Cruz, de Ediciones XospaTronik  (México); Sandra Leticia Villarreal Hernández, de CIRCULAR – Gestión y Difusión de Proyectos Culturales (México); Angel Francisco Escudero Mendoza, do Colectivo Altepee (México); Yunuen Torres Ascencio, de Radio Fogata Cherán (México), e Juan Francisco Arias Pacheco, do Museo Regional de Occidente (El Salvador). A moderadora será Estrella Soria (México), que tem participado de laboratórios de experimentação em tecnologias éticas na América Latina e na Europa.

 

Confira a lista de pessoas selecionadas na convocatória:

Información a las interesadas – Proceso de selección – Convocatoria para integración del Grupo de Trabajo de Participación Social y Cooperación Cultural

 

Inscreva-se como assistente no webinário:

https://us02web.zoom.us/webinar/register/WN_K4rrQKpaQe-IXGsZ-48reg

Conversatório “Educação popular, arte e transformação social” reúne 12 representantes de projetos comunitários 

O conversatório que se realizará nesta terça-feira 22 de septiembre no 4º Encontro de Redes IberCultura Viva abordará dois pilares das políticas culturais de base comunitária: a educação popular e a arte para a transformação social. Este encontro virtual se propõe como um espaço de diálogo entre representantes de projetos comunitários que levam adiante práticas artísticas e pedagógicas com impactos transformadores na sociedade.

Serão dois bate-papos, às 14h e às 17h (hora de Brasília, cada uma com a participação de seis pessoas convidadas e um moderador. Um total de 10 países estará representado nestes painéis. As pessoas convidadas são educadores/as populares, arte-educadores/as e/ou gestores/as culturais que além de apresentar suas experiências nas comunidades onde vivem ou trabalham, deverão debater temas como “o que caracteriza a arte para a transformação social?” (toda arte é por si transformadora?) e as perspectivas do  papel do Estado para favorecer os processos da arte para a transformação social na América Latina.

 

PAINEL 1 -Terça-feira 22 de setembro, 14h (hora de Brasília)

Lila Wolman – Asociación Isauro Arancibia (Argentina) 

Educadora popular, alfabetizadora e psicóloga social. Fundadora da escola Isauro Arancibia e parte da equipe de coordenação que leva adiante seu projeto pedagógico. É professora do ensino primário. Realizou especializações em Educação Popular e um magistério para Adultos e Adolescentes. Sobrevivente do ex CCD El Vesubio, trabalha em busca de memória, verdade e justiça.

Site: www.isauroarancibia.org.ar

Facebook: https://www.facebook.com/isauro.arancibia

Instagram: https://www.instagram.com/isauro_arancibiaok/

 

Ana Cachimuel – Escuelita de Música Yarina (Equador) 

Diretora da Escola de Música Andina Yarina, a qual, sob o abrigo do Centro Intercultural Comunitário Yawar Wawki, nasceu com o objetivo de pesquisar os ritmos e cantos tradicionais kichwas e oferecer um espaço de formação musical para os meninos e meninas das comunidades da província de Imbabura, fortalecendo a identidade dos povos andinos por meio da música.

Sitio Web: www.emayarina.com

Facebook: https://www.facebook.com/EscueladeMusicaYarina

Instagram: https://www.instagram.com/inticuri

 

Layly Castillo Lucena – Organización Masaya (Costa Rica) / Processo: Removernos 

Educadora com mais de 15 anos de experiência, tem se dedicado a compartilhar e aprender conhecimentos em diversos cenários educativos, assumindo papéis como coordenadora  pedagógica e diretora de organizações educativas, educadora de primeira infância e cofundadora da Asociación Masaya, onde durante os últimos anos tem se dedicado à elaboração e facilitação de programas de formação socioeducativos com foco na aprendizagem cooperativa como estilo de vida. Como mãe, é uma defensora dos direitos da infância e promove a brincadeira livre através de “Encuentros para sentir y crear”, empreendimento do qual é fundadora. 

Site: http://www.asociacionmasaya.org/

Facebook: https://www.facebook.com/MasayaTeatroConvivencia/

 

Rocío Orozco Sánchez – Colectivo CulturAula (México) 

Formada em Psicologia Social, conta com estudos de mestrado em Ciências da Educação. Atualmente é mestranda do programa de Gestão e Desenvolvimento Cultural da Universidade de Guadalajara, e se desempenha como diretora do coletivo CulturAula, fundado em 2010 com a finalidade de vincular arte, educação, cultura e comunidade. É coordenadora nacional do Nodo México da Rede Ibero-americana de Animação Sociocultural. Tem desenvolvido e coordenado projetos de formação para jovens, entre os quais se encontra o Seminário em Animação Sociocultural para jovens do Município de Magdalena (Jalisco), assim como a elaboração de diversas oficinas de ludo-pedagogia e arte para a transformação social. Sua pesquisa acadêmica enfoca os desafios e perspectivas da cultura comunitária com a finalidade de implementar um modelo de formação integral.

 

Camilo Álvarez (Uruguai) Educador popular, com cursos realizados na Multiversidad Franciscana de América Latina. Coordenador do Curso de Educação Popular realizado pelo Centro Martin Luther King e o Seminário Bíblico de Fe. Militante social. Integrante da organização Somos Barrios. Integrante de Grameen Uruguay. Atual coordenador do SOCAT (Serviço de Orientação, Consulta e Articulação Territorial), em convênio com o Ministério de Desenvolvimento Social.

 

 

Takaiúna – Ponto de Cultura Cidade Livre (Brasil) 

Atriz e arte educadora comunitária há vinte anos. Mestranda em Artes Cênicas pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), possui especialização em Políticas Culturais de Base Comunitária pela Faculdade Latino-americana de Ciências Sociais (FLACSO-Argentina). Desenvolve atividades no Ponto de Cultura Justina, pesquisando e realizando ações no Equador, México, Bolívia e Argentina. Fundado em 2016, o Ponto de Cultura Justina se articula em rede com artistas e grupos de várias regiões brasileiras e de países da América Latina. Trabalhadoras rurais, professoras, alunos e alunas da rede escolar são alguns dos públicos que as ações do Justina impactam.

 

Guillermo Valdizán Guerrero (Peru) 

Coordenador do programa Pontos de Cultura do Ministério de Cultura do Peru. Sociólogo (Universidad Nacional Mayor de San Marcos), artista visual (Escuela Nacional Superior Autónoma de Bellas Artes del Perú – ENSABAP), em processo de apresentação de tese no Mestrado de Antropologia Visual (Pontificia Universidad Católica del Perú). Docente do Curso de Pós-graduação Internacional de Políticas Culturais de Base Comunitária. Coordenador desde 2005 das Oficinas Educativas e Culturais. Foi coordenador do programa Cultura Viva Comunitária da Municipalidade de Lima (2012-2014) e de Atividades Culturais do Lugar da Memória, da Tolerância e da Inclusão Social (2015), além de diretor de Promoção Cultural da ENSABAP (2015-2017). É membro da campanha cidadã “Más Cultura Más Perú”.

 

PAINEL 2 – Terça-feira 22 de setembro, 17h (hora de Brasília)

Manuela González Ursi – Iniciativa Atalaya Sur Internet Comunitaria (Argentina) Coordenadora do projeto de apropriação tecnológica e conectividade Atalaya Sur, que tem por objetivo a apropriação popular da tecnologia, entendendo que o acesso desigual, tanto em termos materiais como simbólicos, reforça outras desigualdades estruturais.

Facebook: https://www.facebook.com/proyectoatalayasur/

Twitter: https://twitter.com/proyatalayasur

 

Jorge Blandón – Red Latinoamericana de Teatro en Comunidad 

Mestre em Arte Dramática com ênfase na Direção Cênica pela Universidade de Antioquia. Cofundador da Corporação Cultural Nuestra Gente, organização articulada à Rede Colombiana e Latino-americana de Teatro em Comunidade.

 

 

Cristian Mayorga Hevia – Centro Cultural y Colectivo La Mandrágora (Chile) 

Ator e fundador do Centro Cultural e Coletivo Teatral La Mandrágora. Esta organização social comunitária funciona desde 2001 no Chile, e a partir de 2004 se instala no povoado de Achupallas de Viña del Mar, onde seus integrantes mantêm uma biblioteca comunitária e  realizam oficinas artísticas e socioeducativas de forma voluntária e gratuita. La Mandrágora também promove anualmente o Encontro Internacional de Teatro “Achupallas un Cerro de Cultura” (ETACC).

Página web: www.mandragora.cl

Facebook: www.facebook.com/www.mandragora.cl/

 

Flory Salazar Vargas – Organização Respirarte (Costa Rica) / Processo: Carbunculo Cineclub 

Trabalhadora social de profissão, gestora sociocultural por vocação. Cofundadora e presidenta há quatro anos da Associação Cultural de Guácimo Respirarte, uma organização comunitária sem fins lucrativos que trabalha pelo desenvolvimento artístico e sociocultural do cantão de Guácimo. 

Facebook: https://www.facebook.com/asoculturaguacimorespirarte/

Instagram: https://www.instagram.com/respirarte_guacimo/

Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCjs0SR77F4x8J3RBx4EjulQ 

 

Delia Rendón –  Laboratório de Teatro Campesino e Indígena Yucatán (México) 

Atriz, professora fundadora e subdiretora do Laboratório de Teatro Camponês e Indígena Yucatán, parte do Programa Cultura Comunitária da Secretaria de Cultura do Governo do México. Também trabalhou no Museu Nacional de Culturas Populares em Tlayacapan, Morelos, e em diversas prefeituras da Cidade do México.

 

Valeria Galarza (Equador)

Educadora e pesquisadora. Mestre em educação. É candidata a doutora na Arts, Health and Society Division de The European Graduate School. Conta com 16 anos de experiência no acompanhamento educativo em diversos contextos. Tem elaborado e acompanhado processos de capacitação, autoformação e pesquisa educativa para o fortalecimento del perfil profissional de educadoras e educadores, bem como no campo de desenho pedagógico institucional. Colaborou como membro pesquisador na rede Another Road Map for Art Education. Participou como docente titular do programa de profissionalização das carreiras de Educação Básica e Educação Intercultural Bilíngue da Universidad Nacional de Educación, na província de Sucumbíos.

 

Walter Romero (El Salvador) 

Gestor cultural, administrador de empresas. Foi diretor executivo da Associação Cultural Tiempos Nuevos Teatro (TNT). Atualmente é o diretor das Casas da Cultura e Parques Culturais do Ministério de Cultura de El Salvador e REPPI (representante nacional) para IberCultura Viva.

 

Divulgada a lista de participantes da oficina “Audiovisual comunitário, narrativas descentralizadas”

 

Vinte e duas pessoas de nove países foram selecionadas para participar da oficina virtual “Audiovisual comunitário, narrativas descentralizadas”, que se realizará no 4º Encontro de Redes IberCultura Viva com duas sessões de três horas, nos sábados 19 e 26 de setembro. A oficina tem como docentes Eloisa Díez (La Sandía Digital, México) e Miguel Hilari (Bolívia), e é dirigida a pessoas interessadas na criação audiovisual e com experiência em algum de seus processos (criação, produção, promoção e/ou exibição). 

As inscrições estiveram abertas no Mapa IberCultura Viva entre 3 e 14 de setembro. Podiam postular pessoas dos 11 países membros do IberCultura Viva. Além de divididas equitativamente entre os países, as vagas deveriam ser repartidas entre agentes culturais independentes e agentes culturais vinculados a coletivos e organizações culturais comunitárias.

Das 45 inscrições enviadas, foram selecionadas 3 da Argentina, 3 do Brasil, 2 do Chile, 2 da Colômbia, 2 de Costa Rica, 3 do Equador, 2 de El Salvador, 3 de México e 2 do Peru. Foram levados em conta na seleção os motivos informados pelas pessoas candidatas para participar da oficina, prevalecendo aquelas que se encontram desenvolvendo ou têm interesse em desenvolver um projeto comunitário que retome narrativas descentralizadas em seu processo criativo. Também se tomou em consideração que houvesse pelo menos 50% de mulheres, presença de pessoas afrodescendentes ou de povos indígenas, e diversidade regional dentro dos países.

As sessões

As 22 pessoas selecionadas para participar da oficina receberão um correio eletrônico com nomes de usuários e acessos para a sala de aula virtual. A primeira sessão será ministrada por Eloisa Díez, no próximo sábado 19, e a segunda por Miguel Hilari, em 26 de setembro. As duas sessões terão três horas de duração, começando às 11h e terminando às 14h (horário de Brasília e Buenos Aires).

Eloisa Diez é roteirista, produtora de rádio e documentarista. Tem se especializado na elaboração e implementação de processos de criação comunitários, participativos e colaborativos para a transformação social com enfoque de gênero. Feminista, tem trabalhado na formação e na criação de narrativas transformadoras de e sobre mulheres. Desde 2011 faz parte de La Sandía Digital, onde se encarrega de direção, roteiro, som, pesquisa e formação audiovisual.

Miguel Hilari estudou cinema em La Paz (Bolívia), Santiago (Chile) e Barcelona (Espanha). Seus filmes “El corral y el viento” (2014), “Compañía” (2019) e “Bocamina” (2019) retratam brechas geracionais, identidade indígena e movimentos entre campo e cidade na Bolívia. Foram exibidas e premiadas em festivais internacionais como Visions du Réel, Cinéma du Réel, Oberhausen, Transcinema, FIDOCS e outros. Trabalhou em vários filmes bolivianos e esteve ligado à organização do Festival de Cine Radical. Ministra oficinas de cinema em escolas rurais.

 

 

Confira a lista de pessoas selecionadas:

Informação às interessadas – Processo de seleção

 

Leia também

Inscrições abertas para a oficina virtual “Audiovisual comunitário, narrativas descentralizadas”