Conversatório sobre cultura comunitária, gênero e diversidade discute a agenda de governos e coletivos

 

““Desafios das organizações culturais comunitárias em torno dos direitos das mulheres e das diversidades sexuais e de gênero” é o primeiro dos conversatórios temáticos que serão realizados no 4º Encontro de Redes IberCultura Viva. Trata-se de um espaço de apresentação e debate acerca da agenda de governos e organizações culturais comunitárias (OCC) diante dos desafios da transversalização de ações que promovem a equidade de gêneros e o direito à diversidade sexual, desde a particularidade do trabalho territorial.

O conversatório terá dois painéis, nesta sexta-feira 11 de setembro, às 14h e às 17h (considerando o horário de Argentina). Cada uma das sessões terá seis pessoas convidadas e uma moderadora. Essas pessoas são provenientes de seis países e têm perfis variados, incluindo ativistas trans e ecofeministas, fundadoras de coletivos que trabalham com as temáticas de gênero e diversidade, e funcionários e autoridades dos governos integrantes do programa IberCultura Viva.

 

Quem participa

 

PAINEL 1

Sexta-feira 11 de setembro, 14h (hora de Brasília)

 

Alba Rueda (Argentina) 

Ativista trans. Subsecretária de Políticas de Diversidade do Ministério de Mulheres, Gênero e Diversidade. Integrante de Noti Trans e Mujeres Trans Argentina. Pesquisadora do Departamento de Gênero e Comunicações do Centro Cultural da Cooperação Floreal Gorini. Integrante do Conselho Assessor do Observatório de Gênero na Justiça, Conselho da Magistratura da Cidade Autônoma de Buenos Aires (C.A.B.A.).

 

Luisa Lucía Paz – DIVAS: Ponto de cultura de temática transgênero (Argentina) 

É coordenadora de Prevenção e Abordagem em Violência Institucional do Ministério das Mulheres, Gêneros e Diversidade. Foi presidenta da Rede Nacional A.T.T.T.A. (2017-2020).  Coordenou o Congresso Nacional e Internacional de ESI e o Fórum Feminista: Popular e Latino-americano. Fundou a ONG Di.Va.S. – Diversidad Valiente Santiagueña. Atualmente integra o Conselho Consultivo do Plano Nacional de Prevenção da Gravidez Não Intencional na Adolescência (Plan ENIA) do Ministério da Saúde.

 

Lorena Berríos Ibacache (Chile) 

Ativista ecofeminista dissidente sexual. Representante plurinacional da Mesa Regional de Organizações Culturais Comunitárias (OCC) da Região do Maule. Integrante da Colectiva Cultural Equidad y Género.

 

Natalia Toledo (México) 

Subsecretária de Diversidade Cultural e Fomento à Leitura da Secretaria de Cultura do Governo do México. Poeta bilíngue (zapoteco-espanhol). É egressa da Sociedade Geral de Escritores de México (SOGEM). Tem combinado seu trabalho literário com a elaboração e difusão da cozinha do Istmo de Tehuantepec e o desenho de têxteis. Prêmio Nacional de Literatura Nezahualcóyotl 2004 por Olivo negro. Em 2003 e 2004 seus projetos Los sueños del olivo e Las palabras generan palabras foram escolhidos pelo programa Artes por Todas Partes, do Instituto de Cultura da Cidade do México. Foi bolsista do Fundo Nacional para a Cultura e as Artes (FONCA) em línguas indígenas (1994, 2001 e 2004), e do Fundo Estatal para a Cultura e as Artes (FOESCA) de Oaxaca na área de jovens criadores (1995). 

 

Susana Matute (Peru) 

Licenciada em Educação. Magíster em Gerência Estratégica. Candidata a doutora em Educação. Especialista em Educação para a Sustentabilidade: Meio Ambiente, Economia e Interculturalidade pela Universidad de Granada. Atuou como especialista em Educação Intercultural e Cultura afro-peruana da DIGEIBIRA do Ministério de Educação do Peru. Atualmente se desempenha como diretora da Direção de Políticas para a População Afro-peruana do Ministério de Cultura. É, também, presidenta da Rede Interamericana de Altas Autoridades sobre Políticas para Populações Afrodescendentes (RIAFRO).

 

Yefry Peña – Casa Trans Lima Este (Peru) 

Ativista defensora dos Direitos Humanos e diretora da Casa Trans Lima Este.

 

 

 

Leidy Ortega (Peru) 

Encarregada dos Registros de Pontos de Cultura do Ministério de Cultura. Gestora cultural. Mestre em Gerência Social pela Pontifícia Universidade Católica do Peru. Psicóloga social pela Universidade Nacional Federico Villarreal. Especialista em temas de gestão de projetos, gênero, diversidades e direitos laborais de trabalhadoras do lar. Com experiência em gestão pública, promoção de atividades culturais comunitárias e gestão do voluntariado. 

 

PAINEL 2 

Sexta-feira 11 de setembro, 17h (hora de Brasília)

Niurka Chávez Soria (México) 

Formada em Sociologia com especialização em Sociologia da Arte e da Cultura e em Estudos de Género nas Ciências Sociais pela UNAM-FES Acatlán. Participa de diversos projetos e espaços de pesquisa e trabalho colaborativo com coletivos vinculados à promoção de direitos humanos e políticas públicas sobre cultura e direitos das pessoas jovens. Atualmente integra o programa Cultura Comunitária na Direção Geral de Vinculação Cultural da Secretaria de Cultura do Governo do México. Também é coordenadora do curso Direitos Culturais e Agenciamento para a Secretaria de Cultura da Cidade do México.

 

Cecilia Merchán (Argentina) 

Formada em Comunicação Social. Foi deputada nacional e deputada do Parlasul. Atualmente é secretária de Políticas de Igualdade e Diversidade no Ministério das Mulheres, Gêneros e Diversidade. Coordenou o programa Juana Azurduy e o Comitê Executivo contra o Tráfico de Pessoas. Dirige a editora Las Juanas Editoras e é representante de La Colectiva. 

 

Ariane Denault Lauzier – Colectivo Teatral Mujeres de Fuego (Colômbia) 

Atriz, diretora, performer e pedagoga teatral. Licenciada em Estudos Sociopolíticos Latino-americanos com estudos complementares em teatro. Fundadora do Colectivo Teatral Mujeres de Fuego, que trabalha a criação teatral a partir do corpo com um enfoque sociopolítico e de gênero, assim como uma linha de trabalho em comunidade. Especializou-se em facilitar oficinas em relação a: corpo e imagem poética, teatro do oprimido, teatro para a paz, teatro e gênero com mulheres, entre outros. Trabalha temas como gênero, participação, violência contra as mulheres, direitos sexuais, paz e reconciliação, violência estrutural, saúde comunitária, liderança.

 

Avilinia Reyes García – Mujeres Colibrí Colectiva LésBica Indígena (México) 

Jovem indígena, lésbica, zapoteca da Serra Norte do Estado de Oaxaca. Migrante na Cidade do México. Gestora cultural da Universidad Autónoma de la Ciudad de México (UACM). Promotora e defensora dos direitos culturais. Foi aluna da escolinha de promotoras e defensoras jovens indígenas Mirna Cunningham e da Escola de Promotores de Direitos Humanos Fray Francisco de Vitoria. Membro de Mujeres Colibrí Colectiva LésBica Indígena.

 

Celia Solís – Comedor Popular San Martín del Once (Peru) 

Dirigente social do bairro La Balanza, Comas. Começou a trabalhar no Comedor San Martín del Once em 1999 e é presidenta desde 2007. Entre 2012 e 2019 participou do processo de transformação da instituição em um centro cultural, dentro do projeto Fitecantropus. Participa também da Fiesta Internacional de Teatro en Calles Abiertas (FITECA).

 

Luisa Rodríguez Cattaneo (Uruguai) 

Diretora de Promoção Sociocultural do Ministério de Desenvolvimento Social do Uruguai. Sua formação como professora de educação física e gestora cultural tem permitido o desempenho em diferentes papéis como diretora de Cultura e Esporte de Treinta y Tres, realizando planos quinquenais na área, incluindo novas infraestruturas, eventos e programas especiais para distintos públicos-alvo.

 

Patricia Rivera Ritter (Chile) 

Chefa do Departamento Cidadania Cultural da Subsecretaria das Culturas e das Artes do Ministério das Culturas, das Artes e do Patrimônio do Chile. Dedica-se à função pública há mais de uma década em diferentes áreas de fomento, gestão e promoção de programas e iniciativas culturais. É professora de Estado em História e Geografia na Universidade de Tarapacá. É mestre em Ciências Sociais (menção Desenvolvimento Social) pela Universidade A Prat, e em Educação (menção Currículo Baseado em Competências) pela Universidade Santo Tomás. É também diplomada em Gestão da Participação Cidadã, Universidad del Litoral, Buenos Aires; em Estudos de Gênero, Planejamento e Desenvolvimento, pelo Centro Estudos de Gênero da Universidade de Chile; e em Gestão Cultural, Universidade de Chile, Organização dos Estados Ibero-americanos, Conselho Nacional da Cultura e das Artes, e REPPI para Ibercultura Viva.

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *