Posts

Formadas as três mesas do Grupo de Trabalho “Participação social e cooperação cultural”

Trinta pessoas de nove países foram selecionadas para integrar o grupo de trabalho que participará dos conversatórios “Participação social e cooperação cultural”, coordenados pela equipe do programa Cultura Comunitária da Secretaria de Cultura do Governo do México. Essas pessoas estarão divididas em três mesas de trabalho, onde poderão reflexionar sobre o desenvolvimento do programa IberCultura Viva, em um processo colaborativo para a construção do Plano Estratégico Trienal (PET) 2021-2023.

As sessões estão programadas para os dias 25 de setembro, 2 e 9 de outubro, e serão realizadas de maneira virtual, via Zoom, com transmissão ao vivo pelo canal do YouTube e a página de Facebook do IberCultura Viva a partir das 14h (hora de Brasília). As 30 pessoas selecionadas por convocatória serão participantes estratégicas do webinário e estarão presentes como painelistas.

Além delas, quem quiser participar do webinário como assistente poderá se inscrever pelo link https://us02web.zoom.us/webinar/register/WN_K4rrQKpaQe-IXGsZ-48reg. Os assistentes poderão participar do fórum de perguntas e respostas do webinário.

As inscrições para participar deste grupo de trabalho estiveram abertas entre os dias 4 e 14 de setembro no Mapa IberCultura Viva. As pessoas interessadas puderam inscrever-se em três bate-papos com as seguintes temáticas: “Políticas culturais de base comunitária para a pós-pandemia” (25 de setembro); “Mecanismos, propostas metodológicas e caminhos de participação” (2 de outubro), e “Brecha digital e cultura comunitária” (9 de outubro).

Mesa 1: Políticas culturais de base comunitária para a pós-pandemia

Na primeira mesa, que se realizará na sexta-feira 25, a intenção é debater temas vinculados à diversidade cultural, às práticas e experiências culturais, ao direito à saúde, à soberania alimentar, às populações de atenção prioritária, à perspectiva de gênero, entre outros. Como as políticas culturais locais têm contribuído e proposto ações para mitigar os efeitos não positivos advindos da pandemia, em relação ao acesso, a participação e contribuição na vida cultural dos jovens e das mulheres? Como poderíamos difundir boas práticas de atenção à saúde, desde tradições de cuidados preventivos, práticas curativas e medicina tradicional?

Participarão desta primeira sessão: Celia Soler (Argentina), Mariana Daniela Arce (Argentina), Yuri Guedes de Lavor (Brasil), Luis Enrique Pacheco (Chile), Eric David Madrigal Venegas (Costa Rica), Tania Alvarez Chavarria (Costa Rica), Lucia Mariana Ramírez Ugalde (México), Yuri Alejandro Meza Gómez (México), Emmanuel Audelo Enríquez (México), Gabriela Belén Palacios (México), Efrain Ernesto Agüero Solorzano (Peru) y Pamela Soldalila Otoya Sarca (Peru). A moderação estará a cargo de Maximiliano Uceda, secretário de Gestão Cultural do Ministério de Cultura da Argentina e presidente do Conselho Intergovernamental IberCultura Viva.

 

 

Mesa 2: Mecanismos, propostas metodológicas e caminhos de participação

Na segunda mesa, “Mecanismos, propostas metodológicas e caminhos de participação” (2/10), se discutirá, por exemplo, como contribuir para a elaboração, o planejamento, a implementação, o acompanhamento e a avaliação de mecanismos públicos que garantam direitos culturais transversais em políticas culturais de base comunitária que eliminem a estigmatização e ações de discriminação de práticas e expressões culturais. Ou que elementos de práticas poderiam ser referências estratégicas para colocar-se em construção de metodologias ou mecanismos de inclusão na tomada de definições públicas em matéria cultural e na governança cultural.

Nesta sessão estarão: Aurora Beatriz Silva (Argentina), Aurora Beatriz Silva (Argentina), Veronica Rossana Pizarro Cruz (Chile), Guillermo Martín Maceiras Gómez (Espanha), Rocío Orozco Sánchez (México), Rut Mendoza Garcia (México), Alejandro Rodríguez Hernández (México), Delia Hernández Pastor (México), Victoria Contreras Peña (México), Aldo Adrián Nuño López (México), Florencia Gabriela De Armas Cándido (Uruguai) e Lucía Zapien Osuna (México). A moderadora será Valeria López López, do programa Cultura Comunitária da Secretaria de Cultura do México.

Mesa 3: Brecha digital e cultura comunitária 

A terceira e última mesa, “Brecha digital e cultura comunitária” (9/10), debaterá a ativação de redes durante a pandemia e o processo de integração de organizações de cultura comunitária a novas tecnologias para seus afazeres cotidianos. Que mecanismo de associatividade foi utilizado entre os coletivos? Quais as estratégias, desde as políticas culturais, foram implementadas para diminuir a brecha de idade e gênero entre a comunidade artístico-cultural? As organizações culturais comunitárias têm ocupado o espaço público virtual disponível para a promoção e a difusão dos direitos culturais entre suas redes?

Esta sessão contará com a presença de Moisés Alberto Rioja, de Wayruro Comunicación Popular (Argentina); Isela Xospa Cruz, de Ediciones XospaTronik  (México); Sandra Leticia Villarreal Hernández, de CIRCULAR – Gestión y Difusión de Proyectos Culturales (México); Angel Francisco Escudero Mendoza, do Colectivo Altepee (México); Yunuen Torres Ascencio, de Radio Fogata Cherán (México), e Juan Francisco Arias Pacheco, do Museo Regional de Occidente (El Salvador). A moderadora será Estrella Soria (México), que tem participado de laboratórios de experimentação em tecnologias éticas na América Latina e na Europa.

 

Confira a lista de pessoas selecionadas na convocatória:

Información a las interesadas – Proceso de selección – Convocatoria para integración del Grupo de Trabajo de Participación Social y Cooperación Cultural

 

Inscreva-se como assistente no webinário:

https://us02web.zoom.us/webinar/register/WN_K4rrQKpaQe-IXGsZ-48reg

Conversatório “Educação popular, arte e transformação social” reúne 12 representantes de projetos comunitários 

O conversatório que se realizará nesta terça-feira 22 de septiembre no 4º Encontro de Redes IberCultura Viva abordará dois pilares das políticas culturais de base comunitária: a educação popular e a arte para a transformação social. Este encontro virtual se propõe como um espaço de diálogo entre representantes de projetos comunitários que levam adiante práticas artísticas e pedagógicas com impactos transformadores na sociedade.

Serão dois bate-papos, às 14h e às 17h (hora de Brasília, cada uma com a participação de seis pessoas convidadas e um moderador. Um total de 10 países estará representado nestes painéis. As pessoas convidadas são educadores/as populares, arte-educadores/as e/ou gestores/as culturais que além de apresentar suas experiências nas comunidades onde vivem ou trabalham, deverão debater temas como “o que caracteriza a arte para a transformação social?” (toda arte é por si transformadora?) e as perspectivas do  papel do Estado para favorecer os processos da arte para a transformação social na América Latina.

 

PAINEL 1 -Terça-feira 22 de setembro, 14h (hora de Brasília)

Lila Wolman – Asociación Isauro Arancibia (Argentina) 

Educadora popular, alfabetizadora e psicóloga social. Fundadora da escola Isauro Arancibia e parte da equipe de coordenação que leva adiante seu projeto pedagógico. É professora do ensino primário. Realizou especializações em Educação Popular e um magistério para Adultos e Adolescentes. Sobrevivente do ex CCD El Vesubio, trabalha em busca de memória, verdade e justiça.

Site: www.isauroarancibia.org.ar

Facebook: https://www.facebook.com/isauro.arancibia

Instagram: https://www.instagram.com/isauro_arancibiaok/

 

Ana Cachimuel – Escuelita de Música Yarina (Equador) 

Diretora da Escola de Música Andina Yarina, a qual, sob o abrigo do Centro Intercultural Comunitário Yawar Wawki, nasceu com o objetivo de pesquisar os ritmos e cantos tradicionais kichwas e oferecer um espaço de formação musical para os meninos e meninas das comunidades da província de Imbabura, fortalecendo a identidade dos povos andinos por meio da música.

Sitio Web: www.emayarina.com

Facebook: https://www.facebook.com/EscueladeMusicaYarina

Instagram: https://www.instagram.com/inticuri

 

Layly Castillo Lucena – Organización Masaya (Costa Rica) / Processo: Removernos 

Educadora com mais de 15 anos de experiência, tem se dedicado a compartilhar e aprender conhecimentos em diversos cenários educativos, assumindo papéis como coordenadora  pedagógica e diretora de organizações educativas, educadora de primeira infância e cofundadora da Asociación Masaya, onde durante os últimos anos tem se dedicado à elaboração e facilitação de programas de formação socioeducativos com foco na aprendizagem cooperativa como estilo de vida. Como mãe, é uma defensora dos direitos da infância e promove a brincadeira livre através de “Encuentros para sentir y crear”, empreendimento do qual é fundadora. 

Site: http://www.asociacionmasaya.org/

Facebook: https://www.facebook.com/MasayaTeatroConvivencia/

 

Rocío Orozco Sánchez – Colectivo CulturAula (México) 

Formada em Psicologia Social, conta com estudos de mestrado em Ciências da Educação. Atualmente é mestranda do programa de Gestão e Desenvolvimento Cultural da Universidade de Guadalajara, e se desempenha como diretora do coletivo CulturAula, fundado em 2010 com a finalidade de vincular arte, educação, cultura e comunidade. É coordenadora nacional do Nodo México da Rede Ibero-americana de Animação Sociocultural. Tem desenvolvido e coordenado projetos de formação para jovens, entre os quais se encontra o Seminário em Animação Sociocultural para jovens do Município de Magdalena (Jalisco), assim como a elaboração de diversas oficinas de ludo-pedagogia e arte para a transformação social. Sua pesquisa acadêmica enfoca os desafios e perspectivas da cultura comunitária com a finalidade de implementar um modelo de formação integral.

 

Camilo Álvarez (Uruguai) Educador popular, com cursos realizados na Multiversidad Franciscana de América Latina. Coordenador do Curso de Educação Popular realizado pelo Centro Martin Luther King e o Seminário Bíblico de Fe. Militante social. Integrante da organização Somos Barrios. Integrante de Grameen Uruguay. Atual coordenador do SOCAT (Serviço de Orientação, Consulta e Articulação Territorial), em convênio com o Ministério de Desenvolvimento Social.

 

 

Takaiúna – Ponto de Cultura Cidade Livre (Brasil) 

Atriz e arte educadora comunitária há vinte anos. Mestranda em Artes Cênicas pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), possui especialização em Políticas Culturais de Base Comunitária pela Faculdade Latino-americana de Ciências Sociais (FLACSO-Argentina). Desenvolve atividades no Ponto de Cultura Justina, pesquisando e realizando ações no Equador, México, Bolívia e Argentina. Fundado em 2016, o Ponto de Cultura Justina se articula em rede com artistas e grupos de várias regiões brasileiras e de países da América Latina. Trabalhadoras rurais, professoras, alunos e alunas da rede escolar são alguns dos públicos que as ações do Justina impactam.

 

Guillermo Valdizán Guerrero (Peru) 

Coordenador do programa Pontos de Cultura do Ministério de Cultura do Peru. Sociólogo (Universidad Nacional Mayor de San Marcos), artista visual (Escuela Nacional Superior Autónoma de Bellas Artes del Perú – ENSABAP), em processo de apresentação de tese no Mestrado de Antropologia Visual (Pontificia Universidad Católica del Perú). Docente do Curso de Pós-graduação Internacional de Políticas Culturais de Base Comunitária. Coordenador desde 2005 das Oficinas Educativas e Culturais. Foi coordenador do programa Cultura Viva Comunitária da Municipalidade de Lima (2012-2014) e de Atividades Culturais do Lugar da Memória, da Tolerância e da Inclusão Social (2015), além de diretor de Promoção Cultural da ENSABAP (2015-2017). É membro da campanha cidadã “Más Cultura Más Perú”.

 

PAINEL 2 – Terça-feira 22 de setembro, 17h (hora de Brasília)

Manuela González Ursi – Iniciativa Atalaya Sur Internet Comunitaria (Argentina) Coordenadora do projeto de apropriação tecnológica e conectividade Atalaya Sur, que tem por objetivo a apropriação popular da tecnologia, entendendo que o acesso desigual, tanto em termos materiais como simbólicos, reforça outras desigualdades estruturais.

Facebook: https://www.facebook.com/proyectoatalayasur/

Twitter: https://twitter.com/proyatalayasur

 

Jorge Blandón – Red Latinoamericana de Teatro en Comunidad 

Mestre em Arte Dramática com ênfase na Direção Cênica pela Universidade de Antioquia. Cofundador da Corporação Cultural Nuestra Gente, organização articulada à Rede Colombiana e Latino-americana de Teatro em Comunidade.

 

 

Cristian Mayorga Hevia – Centro Cultural y Colectivo La Mandrágora (Chile) 

Ator e fundador do Centro Cultural e Coletivo Teatral La Mandrágora. Esta organização social comunitária funciona desde 2001 no Chile, e a partir de 2004 se instala no povoado de Achupallas de Viña del Mar, onde seus integrantes mantêm uma biblioteca comunitária e  realizam oficinas artísticas e socioeducativas de forma voluntária e gratuita. La Mandrágora também promove anualmente o Encontro Internacional de Teatro “Achupallas un Cerro de Cultura” (ETACC).

Página web: www.mandragora.cl

Facebook: www.facebook.com/www.mandragora.cl/

 

Flory Salazar Vargas – Organização Respirarte (Costa Rica) / Processo: Carbunculo Cineclub 

Trabalhadora social de profissão, gestora sociocultural por vocação. Cofundadora e presidenta há quatro anos da Associação Cultural de Guácimo Respirarte, uma organização comunitária sem fins lucrativos que trabalha pelo desenvolvimento artístico e sociocultural do cantão de Guácimo. 

Facebook: https://www.facebook.com/asoculturaguacimorespirarte/

Instagram: https://www.instagram.com/respirarte_guacimo/

Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCjs0SR77F4x8J3RBx4EjulQ 

 

Delia Rendón –  Laboratório de Teatro Campesino e Indígena Yucatán (México) 

Atriz, professora fundadora e subdiretora do Laboratório de Teatro Camponês e Indígena Yucatán, parte do Programa Cultura Comunitária da Secretaria de Cultura do Governo do México. Também trabalhou no Museu Nacional de Culturas Populares em Tlayacapan, Morelos, e em diversas prefeituras da Cidade do México.

 

Valeria Galarza (Equador)

Educadora e pesquisadora. Mestre em educação. É candidata a doutora na Arts, Health and Society Division de The European Graduate School. Conta com 16 anos de experiência no acompanhamento educativo em diversos contextos. Tem elaborado e acompanhado processos de capacitação, autoformação e pesquisa educativa para o fortalecimento del perfil profissional de educadoras e educadores, bem como no campo de desenho pedagógico institucional. Colaborou como membro pesquisador na rede Another Road Map for Art Education. Participou como docente titular do programa de profissionalização das carreiras de Educação Básica e Educação Intercultural Bilíngue da Universidad Nacional de Educación, na província de Sucumbíos.

 

Walter Romero (El Salvador) 

Gestor cultural, administrador de empresas. Foi diretor executivo da Associação Cultural Tiempos Nuevos Teatro (TNT). Atualmente é o diretor das Casas da Cultura e Parques Culturais do Ministério de Cultura de El Salvador e REPPI (representante nacional) para IberCultura Viva.

 

Conversatório sobre cultura comunitária, gênero e diversidade discute a agenda de governos e coletivos

 

““Desafios das organizações culturais comunitárias em torno dos direitos das mulheres e das diversidades sexuais e de gênero” é o primeiro dos conversatórios temáticos que serão realizados no 4º Encontro de Redes IberCultura Viva. Trata-se de um espaço de apresentação e debate acerca da agenda de governos e organizações culturais comunitárias (OCC) diante dos desafios da transversalização de ações que promovem a equidade de gêneros e o direito à diversidade sexual, desde a particularidade do trabalho territorial.

O conversatório terá dois painéis, nesta sexta-feira 11 de setembro, às 14h e às 17h (considerando o horário de Argentina). Cada uma das sessões terá seis pessoas convidadas e uma moderadora. Essas pessoas são provenientes de seis países e têm perfis variados, incluindo ativistas trans e ecofeministas, fundadoras de coletivos que trabalham com as temáticas de gênero e diversidade, e funcionários e autoridades dos governos integrantes do programa IberCultura Viva.

 

Quem participa

 

PAINEL 1

Sexta-feira 11 de setembro, 14h (hora de Brasília)

 

Alba Rueda (Argentina) 

Ativista trans. Subsecretária de Políticas de Diversidade do Ministério de Mulheres, Gênero e Diversidade. Integrante de Noti Trans e Mujeres Trans Argentina. Pesquisadora do Departamento de Gênero e Comunicações do Centro Cultural da Cooperação Floreal Gorini. Integrante do Conselho Assessor do Observatório de Gênero na Justiça, Conselho da Magistratura da Cidade Autônoma de Buenos Aires (C.A.B.A.).

 

Luisa Lucía Paz – DIVAS: Ponto de cultura de temática transgênero (Argentina) 

É coordenadora de Prevenção e Abordagem em Violência Institucional do Ministério das Mulheres, Gêneros e Diversidade. Foi presidenta da Rede Nacional A.T.T.T.A. (2017-2020).  Coordenou o Congresso Nacional e Internacional de ESI e o Fórum Feminista: Popular e Latino-americano. Fundou a ONG Di.Va.S. – Diversidad Valiente Santiagueña. Atualmente integra o Conselho Consultivo do Plano Nacional de Prevenção da Gravidez Não Intencional na Adolescência (Plan ENIA) do Ministério da Saúde.

 

Lorena Berríos Ibacache (Chile) 

Ativista ecofeminista dissidente sexual. Representante plurinacional da Mesa Regional de Organizações Culturais Comunitárias (OCC) da Região do Maule. Integrante da Colectiva Cultural Equidad y Género.

 

Natalia Toledo (México) 

Subsecretária de Diversidade Cultural e Fomento à Leitura da Secretaria de Cultura do Governo do México. Poeta bilíngue (zapoteco-espanhol). É egressa da Sociedade Geral de Escritores de México (SOGEM). Tem combinado seu trabalho literário com a elaboração e difusão da cozinha do Istmo de Tehuantepec e o desenho de têxteis. Prêmio Nacional de Literatura Nezahualcóyotl 2004 por Olivo negro. Em 2003 e 2004 seus projetos Los sueños del olivo e Las palabras generan palabras foram escolhidos pelo programa Artes por Todas Partes, do Instituto de Cultura da Cidade do México. Foi bolsista do Fundo Nacional para a Cultura e as Artes (FONCA) em línguas indígenas (1994, 2001 e 2004), e do Fundo Estatal para a Cultura e as Artes (FOESCA) de Oaxaca na área de jovens criadores (1995). 

 

Susana Matute (Peru) 

Licenciada em Educação. Magíster em Gerência Estratégica. Candidata a doutora em Educação. Especialista em Educação para a Sustentabilidade: Meio Ambiente, Economia e Interculturalidade pela Universidad de Granada. Atuou como especialista em Educação Intercultural e Cultura afro-peruana da DIGEIBIRA do Ministério de Educação do Peru. Atualmente se desempenha como diretora da Direção de Políticas para a População Afro-peruana do Ministério de Cultura. É, também, presidenta da Rede Interamericana de Altas Autoridades sobre Políticas para Populações Afrodescendentes (RIAFRO).

 

Yefry Peña – Casa Trans Lima Este (Peru) 

Ativista defensora dos Direitos Humanos e diretora da Casa Trans Lima Este.

 

 

 

Leidy Ortega (Peru) 

Encarregada dos Registros de Pontos de Cultura do Ministério de Cultura. Gestora cultural. Mestre em Gerência Social pela Pontifícia Universidade Católica do Peru. Psicóloga social pela Universidade Nacional Federico Villarreal. Especialista em temas de gestão de projetos, gênero, diversidades e direitos laborais de trabalhadoras do lar. Com experiência em gestão pública, promoção de atividades culturais comunitárias e gestão do voluntariado. 

 

PAINEL 2 

Sexta-feira 11 de setembro, 17h (hora de Brasília)

Niurka Chávez Soria (México) 

Formada em Sociologia com especialização em Sociologia da Arte e da Cultura e em Estudos de Género nas Ciências Sociais pela UNAM-FES Acatlán. Participa de diversos projetos e espaços de pesquisa e trabalho colaborativo com coletivos vinculados à promoção de direitos humanos e políticas públicas sobre cultura e direitos das pessoas jovens. Atualmente integra o programa Cultura Comunitária na Direção Geral de Vinculação Cultural da Secretaria de Cultura do Governo do México. Também é coordenadora do curso Direitos Culturais e Agenciamento para a Secretaria de Cultura da Cidade do México.

 

Cecilia Merchán (Argentina) 

Formada em Comunicação Social. Foi deputada nacional e deputada do Parlasul. Atualmente é secretária de Políticas de Igualdade e Diversidade no Ministério das Mulheres, Gêneros e Diversidade. Coordenou o programa Juana Azurduy e o Comitê Executivo contra o Tráfico de Pessoas. Dirige a editora Las Juanas Editoras e é representante de La Colectiva. 

 

Ariane Denault Lauzier – Colectivo Teatral Mujeres de Fuego (Colômbia) 

Atriz, diretora, performer e pedagoga teatral. Licenciada em Estudos Sociopolíticos Latino-americanos com estudos complementares em teatro. Fundadora do Colectivo Teatral Mujeres de Fuego, que trabalha a criação teatral a partir do corpo com um enfoque sociopolítico e de gênero, assim como uma linha de trabalho em comunidade. Especializou-se em facilitar oficinas em relação a: corpo e imagem poética, teatro do oprimido, teatro para a paz, teatro e gênero com mulheres, entre outros. Trabalha temas como gênero, participação, violência contra as mulheres, direitos sexuais, paz e reconciliação, violência estrutural, saúde comunitária, liderança.

 

Avilinia Reyes García – Mujeres Colibrí Colectiva LésBica Indígena (México) 

Jovem indígena, lésbica, zapoteca da Serra Norte do Estado de Oaxaca. Migrante na Cidade do México. Gestora cultural da Universidad Autónoma de la Ciudad de México (UACM). Promotora e defensora dos direitos culturais. Foi aluna da escolinha de promotoras e defensoras jovens indígenas Mirna Cunningham e da Escola de Promotores de Direitos Humanos Fray Francisco de Vitoria. Membro de Mujeres Colibrí Colectiva LésBica Indígena.

 

Celia Solís – Comedor Popular San Martín del Once (Peru) 

Dirigente social do bairro La Balanza, Comas. Começou a trabalhar no Comedor San Martín del Once em 1999 e é presidenta desde 2007. Entre 2012 e 2019 participou do processo de transformação da instituição em um centro cultural, dentro do projeto Fitecantropus. Participa também da Fiesta Internacional de Teatro en Calles Abiertas (FITECA).

 

Luisa Rodríguez Cattaneo (Uruguai) 

Diretora de Promoção Sociocultural do Ministério de Desenvolvimento Social do Uruguai. Sua formação como professora de educação física e gestora cultural tem permitido o desempenho em diferentes papéis como diretora de Cultura e Esporte de Treinta y Tres, realizando planos quinquenais na área, incluindo novas infraestruturas, eventos e programas especiais para distintos públicos-alvo.

 

Patricia Rivera Ritter (Chile) 

Chefa do Departamento Cidadania Cultural da Subsecretaria das Culturas e das Artes do Ministério das Culturas, das Artes e do Patrimônio do Chile. Dedica-se à função pública há mais de uma década em diferentes áreas de fomento, gestão e promoção de programas e iniciativas culturais. É professora de Estado em História e Geografia na Universidade de Tarapacá. É mestre em Ciências Sociais (menção Desenvolvimento Social) pela Universidade A Prat, e em Educação (menção Currículo Baseado em Competências) pela Universidade Santo Tomás. É também diplomada em Gestão da Participação Cidadã, Universidad del Litoral, Buenos Aires; em Estudos de Gênero, Planejamento e Desenvolvimento, pelo Centro Estudos de Gênero da Universidade de Chile; e em Gestão Cultural, Universidade de Chile, Organização dos Estados Ibero-americanos, Conselho Nacional da Cultura e das Artes, e REPPI para Ibercultura Viva.